Descanso -

Prefeito convocou coletiva de imprensa para falar do caso que aponta suposto superfaturamento do produto. Câmara de Vereadores também investiga o caso com uma comissão especial

Por Júnior Recalcati 01/09/2017 - 15:15 hs
Foto: Júnior Recalcati/Oeste em Foco

O prefeito de Descanso, Sadi Bonamigo, convocou a imprensa para uma coletiva, em seu gabinete, na manhã desta sexta-feira (1º), para falar sobre a polêmica do sêmen – investigado pelo Ministério Público – e a abertura de uma comissão de investigação na Câmara de Vereadores.

Para Bonamigo, a intervenção do Legislativo é desnecessária, tendo em vista que os órgãos competentes já realizam o trabalho investigativo e, se quer, citaram seu nome como parte envolvida no suposto esquema de superfaturamento. Segundo ele, dois servidores seriam suspeitos, mas, ainda não há nada comprovado.

O prefeito disse que o envolvimento da Câmara no caso é um entrave para o Executivo e a população, pois projetos importantes estão parados e ainda não foram votados. Em sua fala, Bonamigo citou a estação de tratamento que, se já tivesse sido votada, estaria entrando em funcionamento.

Bonamigo acredita ser alvo de perseguição política e foi enfático ao dizer que “quanto pior é melhor”, ao falar sobre alguns vereadores sem citar nomes. Além disso, ele comenta que o que “eles não fizeram em um ano, a atual gestão fará em apenas um”.

A polêmica começou após uma denúncia ao Ministério Público, indicando que o sêmen de uma determinada raça era fornecido somente por uma empresa, gerando superfaturamento e direcionando as licitações em benefício a uma única participante.

O representante do Ministério Público, promotor Renato Maia de Faria, revela que documentos e notas fiscais comprovam que as doses do mesmo touro foram comercializadas a outros municípios por R$ 17, e em Descanso, o valor pago chegou a R$ 29,90. Além disso, o promotor ressalta que a fornecedora adquiria as doses por R$ 8, ou seja, lucrava praticamente o dobro do valor pago no repasse do produto.

Em sua defesa, Bonamigo afirma que a Administração Municipal prioriza a qualidade do sêmen. A licitação teria ocorrido na modalidade pregão, com acompanhamento técnico de toda equipe responsável, dentro das normas previstas em lei.

O prefeito afirma que o município é o maior interessado nas investigações para saber se houve, ou não, superfaturamento. Ele também comenta que a empresa vencedora do pregão é quem deve dar explicações sobre a qualidade do produto.

Sadi informa ainda que a compra de sêmen e nitrogênio foi suspensa até o término do processo. Durante o encontro com a imprensa, ele chegou a citar que, em 2013, um sêmen inferior ao atual havia sido adquirido pela Prefeitura por R$ 19.

Questionado sobre a confiança nos dois servidores supostamente envolvidos no esquema, Bonamigo revela que não haverá mudanças até que se prove o contrário. Em caso de confirmação da fraude, o gestor explica que as medidas cabíveis serão tomadas baseadas no que rege a Lei Orgânica Municipal.

Foto: Oeste em Foco