Quarta, 02 de Dezembro de 2020 09:17
(49) 99110-3040
Política No comando!

Conheça Daniela Reinehr, a primeira mulher a governar SC

Vice-governadora teve pedido de afastamento negado e vai assumir o governo de forma interina até decisão final sobre futuro de Carlos Moisés

24/10/2020 12h39
Por: Júnior Recalcati Fonte: Diário Catarinense
Diorgenes Pandini | Diário Catarinense
Diorgenes Pandini | Diário Catarinense

A vice-governadora Daniela Reinehr (sem partido) será a nova governadora em exercício de Santa Catarina. A decisão do tribunal de julgamento que afastou temporariamente do cargo o governador Carlos Moisés (PSL), mas arquivou a denúncia contra a vice, surpreendeu quem apostava em um afastamento temporário de Moisés e Daniela, o que abriria espaço para o presidente da Assembleia Legislativa, Julio Garcia, assumir o governo.

Daniela foi a primeira mulher eleita vice-governadora em SC e agora será a primeira a assumir o governo do Estado, ainda que de forma temporária. Ela já havia governado por 10 dias em janeiro, durante férias de Carlos Moisés.

A futura governadora em exercício tem 43 anos, é natural de Maravilha, mas morou a maior parte da vida em Chapecó, no Oeste do Estado. É casada e tem dois filhos.

É advogada e trabalhou na área de Direito com temas relacionados a comércio exterior até o início da vida pública e a vitória como vice-governadora na chapa encabeçada por Moisés, em 2018. Também atuou por três anos como policial militar no início da carreira e é produtora rural. Durante o mandato, fez defesas contundentes em temas que envolviam o agronegócio, como a tentativa de taxar agrotóxicos no segundo semestre de 2019.

A participação na política começou nos protestos de 2013 e avançou durante as manifestações em favor da Lava-Jato e que pediam o impeachment da presidente Dilma Rousseff, em 2016. Daniela despontou como liderança local dos movimentos que convocavam as mobilizações no Oeste. O alinhamento com a Lava-Jato e com Bolsonaro levou à escolha pela filiação ao PSL com vistas à eleição de 2018.

Já no governo, Daniela se envolveu em algumas polêmicas na relação entre ela e o governador Moisés. O pano de fundo costumava ser o mesmo: o alinhamento ou não entre o governador e o presidente Jair Bolsonaro.

Ao longo dos quase dois anos de mandato, Daniela em vários momentos buscou estabelecer uma relação mais próxima com Bolsonaro do que Moisés, que em entrevistas deixou claro ter opiniões diferentes das do presidente em alguns temas. Fez visitas ao presidente em Brasília, inclusive no período em que assumiu como governadora em exercício, em janeiro.

Em novembro de 2019, quando Bolsonaro confirmou que deixaria o PSL para criar um novo partido, o Aliança pelo Brasil, Daniela anunciou que seguiria o mesmo caminho e anunciou a desfiliação do PSL.

Rompimento com Moisés

Em junho deste ano, escreveu uma carta em que rompeu definitivamente com o governador e criticou o afastamento dele com Bolsonaro. Reclamou também do isolamento imposto a ela em ações centrais do governo. Chegou a dizer que foi excluída de uma reunião por uma “suposta ‘insuficiência de cadeiras’”.

A essa altura Moisés e Daniela já vinham em crise por episódios como a contratação do hospital de campanha, criticada pela vice-governadora, e o endosso de Moisés a uma carta de governadores em defesa da democracia após protestos pelo fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF) – o governador assinou a carta, a vice saiu em defesa de Bolsonaro.

Nos últimos meses, com o avanço do processo de impeachment que envolvia os dois, houve menos manifestações públicas de divergências entre ambos. Ainda assim, a vice-goveranadora ganhou recentemente o apoio de políticos ligados a Bolsonaro, como a deputada federal Carla Zambelli (PSL). Moisés, não. Mesmo assim, os acenos feitos ao bolsonarismo não foram suficientes para garantir os votos da bancada do PSL para evitar o processo de impeachment ainda na Assembleia Legislativa, em setembro. Na ocasião, ela teve apenas um voto a mais do que Moisés, e teve o processo aceito por 32 votos a 7.

 

Com a decisão desta sexta-feira, Moisés e Daniela novamente tomam caminhos opostos. Moisés seguirá na tentativa de evitar a decretação de impeachment no julgamento definitivo e na busca para retornar ao cargo. Daniela, agora livre da denúncia que buscava também seu afastamento pelo mesmo motivo, agora não deve ter mais preocupações com defesa jurídica, já que no segundo processo de impeachment, ligado ao caso dos respiradores e que está em tramitação, ela foi excluída da denúncia ainda na primeira fase de avaliação na Assembleia Legislativa. Caberá a Daniela agora a missão de construir uma transição da gestão da qual fez parte para um novo governo, ainda que por ora sob o manto da interinidade.

Daniela fica no governo ao menos até julgamento do tribunal misto

Daniela deve receber posse oficialmente como governadora em exercício após o agora governador afastado ser notificado da decisão do tribunal de julgamento. Ela segue no cargo pelo menos até que o tribunal misto faça o julgamento do processo de impeachment de Moisés, em um prazo máximo de 180 dias. Depois disso, ela volta a ser vice caso a denúncia contra o até então chefe do Executivo seja arquivada ou permanece como governadora em definitivo se o impedimento de Moisés for confirmado.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
São Miguel do Oeste - SC
Atualizado às 09h09 - Fonte: Climatempo
25°
Poucas nuvens

Mín. 17° Máx. 32°

25° Sensação
16.1 km/h Vento
51.7% Umidade do ar
90% (25mm) Chance de chuva
Amanhã (03/12)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 20° Máx. 26°

Sol com muitas nuvens e chuva
Sexta (04/12)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 18° Máx. 29°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias