Quarta, 27 de Outubro de 2021
18°

Poucas nuvens

São Miguel do Oeste - SC

Santa Catarina Estudos!

Fapesc investe R$ 1 milhão em novos estudos para produção de vinho e uva em SC

Podem se inscrever pesquisadores doutores vinculados a instituições de ciência e tecnologia de Santa Catarina. O prazo encerra em 1º de outubro

24/09/2021 às 23h33
Por: Júnior Recalcati Fonte: Oeste em Foco | Secom
Compartilhe:
Makito | Santur
Makito | Santur

Se o vinho tem a fama de ajudar quem produz conhecimento, chegou  a hora da situação inverter. A ciência vai agora contribuir para a melhoria na produção de vinho e uvas. É o que a Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc) pretende com investimento de R$ 1 milhão em pesquisa aplicada na área. 

O edital 36/2021 vai contemplar até cinco projetos de pesquisa com R$ 200 mil cada. Podem se inscrever pesquisadores doutores vinculados a instituições de ciência e tecnologia de Santa Catarina. O prazo encerra em 1º de outubro. 

Essa chamada pública vem contemplar uma das áreas em que Santa Catarina é destaque nacional e internacional. Segundo informações do Sindicato da Indústria do Vinho de Santa Catarina (Sindivinho), o Estado foi responsável pela produção de 60 mil toneladas de uva e 35 milhões de litros de vinho em 2019. 

“Santa Catarina tem se destacado primordialmente, no setor vitivinícola, por profissionais capacitados e inúmeros vinhos originários de valorosas pesquisas e que estão aí demonstrando a qualidade e a tipicidade dos produtos da região, proporcionando maior competitividade ao Estado”, destaca o presidente do Sindivinho, Everson Fernando Suzin. 

A produção de uvas e vinho abrange ainda uma área de cultivo de cerca de 6 mil hectares em diferentes regiões. Só de vinícolas, são 95 empresas registradas no Estado. 

A pesquisa pode ser uma aliada para ampliar esse setor produtivo e tornar Santa Catarina um expoente. Suzin destaque entre as melhorias possíveis estão o desenvolvimento de variedades resistentes a doenças e porta-enxertos e clones mais adaptados à região.

Segundo o presidente da Fapesc, Fábio Zabot Holthausen, Santa Catarina é destaque nacional e internacional na produção de vinho e que a fundação está atenta a este movimento. Por isso, lançou essa nova chamada pública.

“A ideia é que os pesquisadores desenvolvam projetos conectados com empresas dentro dessas áreas temáticas e, com isso, fortaleçam a geração de novos produtos, o desenvolvimento de novas tecnologias, novos processos e novas metodologias que impactem nesse tema tão relevante para o Estado”, comenta. 

A  gerente de Ciência e Pesquisa, Deborah Bernett, também enfatiza os objetivos do edital. “Promete o trabalho colaborativo em redes de pesquisa, de conhecimento avançado, contribui muito para os programas e políticas públicas dentro do Estado. Também reforça a cadeia produtiva do vinho e incentiva a instalação de unidades de pesquisa e inovação em parceria com todo o ecossistema empresarial de Santa Catarina”, completa. 

Confira outros editais da Fapesc em www.fapesc.sc.gov.br

Referência em vinhos de altitude

Quando se fala em vinho catarinense, vem logo a imagem dos vinhos finos de altitude. Esses vinhos são produzidos em áreas entre 900 a 1,4 mil metros acima do nível do mar, especialmente na Serra catarinense. Mas outras regiões também têm se destacado, especialmente em premiações nacionais e internacionais. 

Santa Catarina produz em média 1,5 milhões de garrafas de vinhos finos por ano. A meta da Associação de Vinhos de Altitude de Santa Catarina é quadruplicar esse montante nos próximos anos.

“Quem investe em vinhos finos de altitude em Santa Catarina, não é só para fazer vinho fino de qualidade, mas para moldar uma região”, explica o presidente da associação, Humberto Conti. 

Esses investimentos têm mudado uma cultura local que agora se desenvolve em torno do enoturismo e da enogastronomia. Fatores geográficos também são determinantes para que o setor tenha esse “boom” na produção de vinhos. A condição climática catarinense permite ter mais horas de frio e amplitude térmica. Com isso, a maturação é lenta e o vinho tem condições específicas, como acidez, equilíbrio e complexidade. 

Conhecimentos avançados tem permitido usar os fatores naturais e garantir uma bebida de alta qualidade.

“Estamos iniciando uma tradição com toda uma tecnologia disponível”, reforça Conti. 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias