Facig 2019
Peso-real!

Bolsonaro defende criação de moeda única para Brasil e Argentina: peso-real

Banco Central negou que exista projeto ou estudo sobre moeda única. Segundo o BC, há apenas diálogos naturais na relação entre parceiros sobre estabilidade macroeconômica

10/06/2019 10h49
Por: Júnior Recalcati
Fonte: Jornal Nacional
Agustin Marcarian | Reuters
Agustin Marcarian | Reuters

O presidente Jair Bolsonaro defendeu a criação de uma moeda única entre Brasil e Argentina: o peso-real. Ele passou a quinta-feira (6) no país vizinho e já está de volta ao Brasil.

O presidente Jair Bolsonaro deixou o hotel, em Buenos Aires, bem cedinho e, antes de partir, respondeu sobre a proposta de que tratou durante a visita à Argentina: a criação de uma moeda única.

“O Paulo Guedes nada mais fez que dar um primeiro passo para um sonho de uma moeda única na região do Mercosul: peso-real. Quem diz, quem vai achar é ele. Como aconteceu o euro lá atrás, pode acontecer o peso-real aqui, pode acontecer. O primeiro passo. Já falei para vocês que não é meu forte a economia e nós acreditamos no feeling, na bagagem, no conhecimento e no patriotismo do Paulo Guedes nessa questão também”.

“Essa ideia da moeda encanta os argentinos e o Brasil teria que pagar um preço, não?”, perguntou a repórter Delis Ortiz.

“Não há dúvida que todo casamento alguém perde alguma coisa e ganha outras. Eu sou pelo casamento”, disse Bolsonaro.

Se dependesse do presidente Mauricio Macri, esse casamento já estaria marcado. Ele tenta a reeleição em outubro, mas enfrenta o caos na economia, com inflação a mais de 55% ao ano, pobreza que atinge a 38% da população, dólar a mais de 45 pesos.

A ideia de uma moeda comum caiu como uma luva para quem precisa de um discurso que crie alguma expectativa positiva na Argentina.

O ministro da economia, Paulo Guedes, explicou que esse é um processo de longo prazo.

“Falei que no futuro haveria, daqui uns 20 anos, cinco moedas no mundo. E que eu acho a integração na América Latina levaria eventualmente a uma moeda única e vice-versa. Uma moeda única aceleraria também uma integração regional”.

Em nota, o Banco Central do Brasil negou que exista projeto ou estudo em andamento sobre a moeda única. Segundo o Banco Central, há apenas diálogos naturais na relação entre parceiros sobre a estabilidade macroeconômica.

Mas a simples ideia da moeda comum fez o presidente da Câmara reagir rápido. Em rede social, Rodrigo Maia questionou a viabilidade dessa proposta: “Ele disse: será? Vai desvalorizar o real? O dólar valendo R$ 6,00? Inflação voltando? Espero que não”.

Já no Brasil, o presidente foi questionado sobre a declaração de Rodrigo Maia e disse que as críticas são bem-vindas.

“Rodrigo Maia, ou quem quer que tenha criticado, é um direito, é um dever, estamos num país livre. As críticas são muito bem-vindas que nos alertam para a possibilidade de estarmos desviando do caminho certo”.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários