Facig 2019
Preocupação!

Morte por meningite faz procura por vacinas aumentar em SC

Tipos C e W são os predominantes no Estado, e imunização para um destes subgrupos não é ofertada pelo SUS

21/06/2019 11h47
Por: Júnior Recalcati
Fonte: Diário Catarinense
Gabriel Lain | NSC Total
Gabriel Lain | NSC Total

Se você ligar para uma das clínicas particulares de imunização de Florianópolis em busca de vacinas para meningite, provavelmente irá receber a seguinte resposta: iremos incluí-lo (a) na lista de espera. A busca pelas doses que imunizam contra os quatro sorotipos de meningite bacteriana (A, C, W e Y), mais que dobrou.

Levantamento da reportagem realizado em cinco clínicas da Capital na quarta-feira (19) aponta que estes estabelecimentos estão realizando agendamentos, pois não há garantia de que os estoques sejam suficientes para atender a demanda extra. De acordo com Sabrina do Nascimento, uma das responsáveis pelo atendimento ao cliente em um destes locais, desde segunda-feira (17), mais de 160 pedidos por dia chegam via aplicativo de mensagens em busca de imunização contra a meningite, além de centenas de ligações.

A procura pela vacina paga se intensificou após a confirmação de dois casos da doença em Imbituba, no sul de Santa Catarina. Em um deles, uma menina 12 anos morreu neste domingo (16) e no outro a garota da mesma idade está internada no Hospital Infantil Joana de Gusmão, com estado de saúde estável. 

Imunização não é oferecida pelo SUS

O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece vacina apenas contra o sorotipo C, indicada para bebês (aos 3 e 5 meses — com reforço aos 12 meses) e adolescentes (dos 11 aos 14 anos). Além desta, existem outros três tipos de disponíveis apenas no setor privado, a meningocócica B com custo médio de R$ 597,00 por dose, a conjugada quadrivalente ACWY pelo valor aproximado de R$ 397,00 a aplicação e a Pneumocócica 13-Valente com preço em torno de R$ 247,00 cada.

Casos predominantes

No caso fatal registrado em Imbituba, a estudante foi vítima de meningococcemia causada pelo sorogrupo C, que junto com W e B são predominantes no Estado, de acordo com a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive/SC). O médico infectologista da Dive/SC, Luiz Escada, explica que a taxa de letalidade da doença está entre 17% e 20% e que normalmente casos com os tipos W e B são mais agressivos e têm se tornado mais frequentes. 

— No Brasil há uma disseminação diferente dos subgrupos por cada Estado. Isso porque a circulação da bactéria está atrelada à circulação de pessoas. Aqui em Santa Catarina umas das hipóteses que trabalhamos é que isso está ligado ao turismo, já que o “C” e “W”, são os mesmos predominantes no Chile, Argentina e outros países vizinhos.  — comenta Escada.

Também foram registradas outras duas mortes recentes pela doença em SC: uma jovem de 18 anos moradora de Lages e um bebê de 9 meses em Jaraguá do Sul. Ao todo este ano, foram confirmados 20 casos de doença meningocócica — dois em Imbituba, dois em Blumenau e outros 16 foram registrados em Turvo, Itapema, Navegantes, São Francisco do Sul, Balneário Camboriú, Garopaba, Itajaí, Lages, Itapema, Porto União, Jaraguá do Sul, Fraiburgo, Criciúma, Itajaí, Bombinhas, Palhoça, cada município com um caso cada. 

Sem aulas

Para conter a doença, a prefeitura de Imbituba está com as atividades escolares suspensas até segunda-feira para higienizar os colégios e evitar o avanço da bactéria. Além das aulas, o município suspendeu também os Jogos Estudantis de Imbituba (JEIMB) que estão sendo realizados na cidade. A medida foi tomada para evitar a aglomeração de pessoas em locais fechados.

Vacinação

O Ministério da Saúde (MS) anunciou que pretende incluir a imunização contra os tipos ACWY no calendário SUS. Entretanto, não houve interessados no primeiro pregão realizado pelo MS no ano passado para receber propostas de produção e venda do imunizante. O governo federal declarou que está trabalhando em nova licitação e assim que conseguir viabilizar a produção das vacinas pretende incorporá-la às já ofertadas no sistema público. 

Atualmente, são distribuídos quatro imunizantes, são eles: 

— BCG, que protege contra a meningite turberculosa, com uma dose ao nascer;

— Pentavalente, que protege contra as infecções invasivas, entre elas a meningite, causadas pelo Haemophilus influenzae sorotipo b, com doses que devem ser aplicadas aos 2, 4 e 6 meses de vida;

— Meningocócica C, que protege contra a doença meningocócica causada pela Neisseria meningitidis sorogrupo C, com doses aos 3 e 5 meses e um reforço aos 12 meses de idade. Os adolescentes de 12 e 13 anos também deve ser vacinados, com dose única que serve também como reforço;

— Pneumocócica 10, que protege contra as infecções invasivas, entre elas a meningite, causadas por dez sorotipos do Streptococcus pneumoniae, com doses aos 2 e 4 meses de idade e um reforço aos 12 meses;

Meningite

— A meningite é uma infecção das membranas que recobrem o cérebro (as meninges), que afeta toda a região e dificulta o transporte de oxigênio às células do corpo. A doença provoca sintomas como dor de cabeça e na nuca, rigidez no pescoço, febre e vômito. Ela pode evoluir rapidamente, em especial entre crianças e adolescentes, para perda dos sentidos, gangrena dos pés, pernas, braços e mãos.

— A transmissão ocorre pelas vias respiratórias e por gotículas e secreções do paciente, contato íntimo (residente da mesma casa, pessoas que compartilham o mesmo dormitório ou alojamento). A propagação também é facilitada em ambientes fechados e/ou sem ventilação.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários